H3N2 x Coronavírus

Entenda o surgimento dos dois vírus e saiba como diferenciar os sintomas do Influenza H3N2 e do Covid 19

Desde dezembro de 2019, quando ocorreram os primeiros casos de Covid 19 na China e o vírus começou a se espalhar pelo mundo, a dinâmica global não é mais a mesma. Ao final de fevereiro de 2020, o Brasil teve registrado o seu primeiro caso do novo coronavírus. No mês seguinte, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou estado de pandemia.

Desde então, já contamos até o momento mais de 23 milhões de casos e mais de 620 mil mortes no Brasil. Ao longo dos 2 anos, surgiram ainda diversas variantes do vírus. Mas recentemente, além da variante Ômicron, estamos convivendo com o contágio de uma nova variante da gripe Influenza, a H3N2.

Ambas as doenças contam com uma facilidade de contágio muito grande. Nesse cenário, estar atento aos sintomas é fundamental para a busca de auxílio médico eficiente o mais cedo possível, bem como para tomar as medidas capazes de evitar a transmissão a outras pessoas.

Contexto do H3N2?

O H3N2 é um dos subtipos do vírus Influenza A. Ele é um dos principais responsáveis pela gripe comum, conhecida como gripe A, e também pelos “resfriados”. Assim como ocorre com a Covid 19, sua transmissão ocorre por meio de gotículas expelidas pela tosse, espirro ou pela fala.

Os primeiros casos de H3N2 tiveram início em Hong Kong na década de 1960. Após isso, sofreu uma nova mutação na Austrália. A cepa é chamada de Darwin, por ter tido sequência na cidade australiana de mesmo nome.

Quem está mais vulnerável a contrair o H3N2?

As pessoas que sofrem das seguintes doenças, complicações são mais comuns em idosos e indivíduos vulneráveis, apresentam maiores riscos de contrair H3N2:

  • gravidez,
  • doença crônica renal
  • doença metabólica crônica ( a exemplo da diabetes)
  • doença pulmonar crônica (asma e doença pulmonar obstrutiva crônica – DPOC)
  • cardiopatias (insuficiência cardíaca crônica),
  • imunodeficiência ou imunodepressão,
  • hemoglobinopatias.

Contexto do Covid 19?

O coronavírus refere-se a uma grande família de vírus comuns em diversas espécies de animais, como camelos, bois, vacas, gatos e morcegos. Raramente os coronavírus que infectam animais, os MERS-CoV e SARS-CoV, são capazes de infectar pessoas. A variante capaz de ser transmitida de pessoa para pessoa que começou a ser disseminada a cerca de 2 anos na China é a SARS-CoV-2.

As primeiras infecções humanas pelo atual tipo de Covid 19 ocorreram em dezembro de 2019. No dia 31 daquele mês, o escritório da Organização Mundial da Saúde (OMS) foi informado sobre casos de pneumonia de origem desconhecida diagnosticados na cidade de Wuhan, pertencente à província de Hubei, região central da China, país mais populoso do mundo hoje.

Quem está mais vulnerável a contrair o Covid 19?

As pessoas idosas e portadoras de condições médicas como pressão alta, doenças cardíacas, doenças pulmonares, câncer ou diabetes estão mais suscetíveis a desenvolver quadros agravados de COVID-19.

Variantes do Covid 19

No cenário atual, as mutações associadas às variantes do atual Covid 19 estão gerando muita preocupação devido ao escape imunológico gerado e a enorme facilidade em termos de transmissibilidade.

Até o momento, a OMS já conseguiu identificar cinco variantes de alto potencial ofensivo, duas variantes de interesse e sete cepas que ainda estão sob vigilância.

Variante Alfa
A variante Alfa foi diagnosticada pela primeira vez em setembro de 2020, no condado de Kent, no Reino Unido. Essa linhagem é altamente transmissível e já se espalhou por mais de 80 países.

Variante Beta
Com origem na África do Sul, esta variante está ligada ao escape imunológico. Suspeita-se que ela ajuda outras variantes a serem mais contagiosas.

Variante Gama
Encontrada pela primeira vez no Brasil, essa variante conta com mais de 30 outras mutações.

Variante Delta
A variante Delta surgiu no final de 2020 e nos últimos meses, tornou-se rapidamente dominante em diversos países, sendo hoje responsável por mais de 80% dos casos recém-diagnosticados nos Estados Unidos.

Variante Ômicron
Os primeiros casos da variante Ômicron foram encontrados na Botsuana, África do Sul, Hong Kong, Israel, Bélgica, Reino Unido, Alemanha, Itália e Holanda desde o final de 2020.

Diferenças entre H3N2 e Covid 19

Com dois vírus circulando, pode ser mais difícil distinguir as duas contaminações. Tanto o H3N2 como o Covid 19 geram infecção das vias aéreas, o que torna os seus sintomas parecidos, dificultando a identificação do vírus adquirido. Esses sintomas costumam ser: tosse seca, coriza, congestão nasal, dor de cabeça, dor no corpo e febre, falta de ar e outros problemas respiratórios.

Nas manifestações mais severas, ocorre a chamada Síndrome Respiratória Aguda Grave e somente diferenças sutis entre os dois quadros de infecção podem ser observadas como perda de olfato e paladar, que são sintomas da infecção pelo Covid-19.

A Influenza por sua vez, costuma se manifestar de forma aguda, com febres mais intensas e dores no corpo. A Covid 19 conta com uma evolução progressiva, começando com sintomas leves que podem evoluir para complicações em diversos órgãos, sobretudo pulmões.

É possível ser infectado pelos dois vírus ao mesmo tempo?

Segundo os médicos, infelizmente sim. Mas ainda não se sabe se os sintomas manifestados são causados por apenas um dos vírus ou pelos dois simultaneamente. Somente os testes para ambas as contaminações podem confirmar uma suspeita de contaminação dupla.

Leave a Comment

Your email address will not be published.

×